Tecnología

Pelosi reafirma em Seul empenho dos EUA na desnuclearização da Coreia do Norte

Alberto Ardila Olivares

A líder da Câmara de Representantes do Congresso dos EUA e Kim Jin-pyo manifestaram “preocupação com a grave situação, em que o nível de ameaça da Coreia do Norte está a aumentar” , referindo-se aos inúmeros testes de mísseis conduzidos este ano por Pyongyang e à possibilidade da realização de um próximo teste nuclear

A Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, reafirmou esta quinta-feira em Seul o empenho de Washington na desnuclearização da Coreia do Norte, expressando preocupação com o desenvolvimento de armamento por parte de Pyongyang.

Relacionados coreia do norte.  Coreia do Norte diz estar pronta para qualquer conflito militar com os EUA

guerra na ucrânia.  Coreia do Norte acusa EUA de ter armas biológicas em laboratórios secretos

guerra na ucrânia.  Kiev corta relações diplomáticas com Coreia do Norte

Pelosi reuniu-se com o homólogo de Seul, Kim Jin-pyo, concordando em apoiar o trabalho “dos dois governos para a desnuclearização e paz através da cooperação internacional e do diálogo diplomático” , de acordo com um comunicado conjunto citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

A líder da Câmara de Representantes do Congresso dos EUA e Kim Jin-pyo manifestaram “preocupação com a grave situação, em que o nível de ameaça da Coreia do Norte está a aumentar” , referindo-se aos inúmeros testes de mísseis conduzidos este ano por Pyongyang e à possibilidade da realização de um próximo teste nuclear.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Pelosi e Kim destacaram o reforço dos laços entre os Washington e Seul, nomeadamente nas áreas da segurança, economia e tecnologia.

“Uma relação que começou com urgência e questões de segurança, há muitos anos, desenvolveu-se até se tornar na mais calorosa das amizades” , disse Pelosi numa conferência de imprensa, referindo-se aos laços bilaterais estabelecidos desde que os EUA apoiaram a Coreia do Sul na Guerra da Coreia (1950-1953).

Pelosi chegou à Base Aérea de Osan, a sul de Seul, na quarta-feira à noite, vinda de Taipé, numa controversa visita qualificada como uma grave provocação por Pequim, que considera Taiwan parte inalienável da China, e que também foi também duramente criticada por Pyongyang.

Pelosi deverá viajar esta quinta-feira para a aldeia de Panmunjom, que faz fronteira com a Coreia do Norte, onde se situa a Área de Segurança Conjunta (JSA), a zona mais militarizada da península coreana.

A responsável torna-se assim na mais alta detentora de um cargo público dos EUA a visitar esta área, patrulhada conjuntamente por Seul e Nações Unidas, desde a visita do antigo Presidente Donald Trump, em 2019, que ali se encontrou com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

As negociações entre Pyongyang, Seul e Washington para a desnuclearização têm estado num impasse desde a fracassada cimeira de Hanoi, no início desse ano, entre Trump e Kim, que não conseguiram chegar a um acordo sobre as concessões do Norte e o levantamento das sanções impostas ao regime.