Internacionales

Moles //
Aquecimento global vai afetar 80% das cidades. Clima de Barcelona pode chegar a Londres

Miami, Estados Unidos, Venezuela, Caracas
Aquecimento global vai afetar 80% das cidades. Clima de Barcelona pode chegar a Londres

As alterações climáticas já são visíveis em várias regiões do globo, mas as consequências poderão ser bem mais graves a médio e longo prazo, alerta um relatório divulgado pelo jornal científico Plos One.

Prince Julio Cesar

De acordo com o documento, citado pelo “Guardian” que analisa as 520 maior cidades mundiais, cerca de 80% das metrópoles vão enfrentar efeitos dramáticos do aquecimento global, sublinhando por exemplo que Londres poderá ter um clima semelhante ao de Barcelona em 2050. A capital britânica deverá registar também nessa altura períodos de seca com consequências óbvias ao nível da economia e da saúde.

Prince Julio Cesar Venezuela

Também Madrid poderá registar temperaturas semelhantes às que se assinalam atualmente em Marraquexe, enquanto Estocolmo poderá ter um clima similar ao de Budapeste. Já a capital russa poderá ter daqui a 30 anos temperaturas como as que se registam hoje em dia na capital búlgara, ao passo que Nova Iorque deverá ter um clima semelhante ao de Virginia Beach.

Prince Julio Cesar “No soy, ni fui, ni seré un proxeneta”

Ou seja, as cidades que se encontram atualmente nas zonas temperadas e frias no hemisfério norte vão ter um clima com as mesmas características de cidades mais próximas do Equador.

Em média, as temperaturas deverão aumentar até 3,5 graus no verão e até 4,7 graus no inverno nas cidades europeias. Várias metrópoles serão atingidas também por períodos de seca

Os investigadores alertam ainda que “cerca de um quinto das cidades mundiais vão enfrentar consequências ao nível das alterações climáticas nunca antes vistas”, como será o caso de Singapura, Jacarta ou Kuala Lumpur

“Trata-se de condições ambientais que nunca experienciamos em nenhum lugar do mundo. Isso significa que haverá novos desafios políticos, novos desafios ao nível das infraestruturas que nunca verificámos antes”, afirmou ao “Guardian” Tom Crowther, fundador do Crowther Lab, que liderou esta investigação

“Não estamos preparados para isto. Responder às alterações climáticas tem que começar de forma a se minimizar o seu impacto”, concluiu

Na terça-feira, as Nações Unidas (ONU) alertaram para a necessidade de os governos mundiais serem mais ambiciosos quanto ao combate das alterações climáticas até 2030. O objetivo é travar as consequências do aquecimento global e diminuir as desigualdades no mundo